Tag Archives: live music

Para ingles ver

No final de semana passado eu e o marido fomos a dois shows. Na sexta rolou Groove Armada (meu love affair com esta banda ja tem mais de 10 anos, mas isto e assunto para um outro post) e no domingo, o Seu Jorge com o Almaz (membros do Nacao Zumbi).

O Groove Armada, como sempre, superou todas as expectativas – e olha que esta ja e a sexta vez que eu assisto a banda live. O  Seu Jorge para mim, foram outros quinhentos…. o cara e bom, voz linda, presenca de palco sem igual, mas…. eu amo este novo projeto, uma colecao de covers bem laid back e funky, com uma direcao nova,  saindo daquela formula de “samba de boteco” dele que ja estava enchendo o saco. O show comecou prometendo –  ele entrou no palco com um hood cobrindo a cabeca, o que e meio ironico neste pais que associa hoods com bad behaviour – ele tocou 6 ou 7 do disco novo, inclusive a cover espertissima de Everybody Loves the Sunshine. Meia hora depois  a coisa degringolou para ensaio de garagem, no final do show, a impressao que ficou foi que assistimos a 3 shows totalmente diferentes.

 Ai eu me pergunto, porque musico brasileiro (eu estou generalisando, eu sei, mas a minha experiencia com musica brasileira aqui fora deixa a desejar), acha que tem que escolher entre improviso & ginga ou producao & tecnica? Porque que nao da para ter os dois?  Porque tudo tem que virar carnaval para ingles ver?

Nada, em termos de musica, me fez passar mais vergonha alheia do que um show do Jorge Ben (me recuso a chama-lo de Ben Jor, coisa ridicula) no Barbican. De novo, o cara comecou bem, mas ai la pelas tantas, ele vira e fala: ” agora vamos chamar as gostosas aqui no palco” puta que pariu. Ninguem merece ne?

E a babaquice nao e confinada so a ‘artistas populares’. Assisti a um show da Bebel Gilberto no Roundhouse, que me fez deletar todos os cds dela do meu ipod. Eu ja esperava que ela ia ser chata e arrogante (tal pai, tal filha), o que eu nao esperava e que ela seria ruim de musica tambem.  Show feito nas cochas, sem entrosamento nenhum entre ela e a banda,  e eu de mane pagando £30 para ver aquela palhacada.

Por outro lado, fui assistir a um show da Marisa Montes no mesmo Barbican, que me deixou cheia de orgulho e fez o marido se interessar mais por musica brasileira. Uma producao de altissima qualidade, mas sem perder a brasilidade e ginga que  encanta todo o mundo.  E sem falar no show da Ceu recentemente, ela muito timida e com uma sensibilidade de dar gosto.

Pois e, continuo gostando do Seu Jorge mas que deu vontade de gritar: “Vai ensair meu filho” ah isso deu.

Advertisements

Pay it forward

Comprar ingresso para o Glastonbury Festival… nos passamos este sufoco todo o ano.  Para voce ter uma ideia sao 135,000 bilhetes a venda e mais de 1/2 milhao de pessoas querendo um. Primeiro que so pode comprar ingresso se voce registrar primeiro e ingressos nao podem ser revendidos (sua fotinha aparece no bilhete e e checada na entrada). Imagina toda essa gente tentando entrar um um website para reservar o seu? Agora imagina este website ser  See tickets – uma empresa que nao e conhecida por sua atencao ao consumidor…. entao Domingo passado era dia de comprar ingresso. Eu e o marido estavamos no Peak District por conta de um casamento. Levantamos cedo e quando deu 9 da manha comecamos a batalha.

Click refresh, click refresh, click refresh… click refresh again e nada de conseguir entrar no site. Eu acompanhando tudo pelo Twitter tambem, quantos ingressos ja tinham sido vendidos, quem comprou, quem nao estava tendo sorte, etc. Como desgraca pouca e besteira, la para as 11:30 da manha o marido derruma uma xicara cheia de cafe no computador. O bichinho para de funcionar. Eu mordendo a minha lingua para nao falar : I told you so (porque eu tinha falado para ele mudar a xicara de lugar). O Mac Gyver entra em acao. Com uma faca de cozinha e um secador ele faz o computador voltar a funcionar. E da-lhe refresh e nada. Ao meio dia e meia, eu vejo no meu timeline no Twitter uma pessoa falando que ele conseguiu entrar no site e se alguem quisesse ajuda para ligar para ele. Eu nao pensei duas vezes, liguei. E comecei a passar os meus detalhes de registro e numero do cartao de debito e voila. Este anjo me passa os detalhes da compra e 6 horas depois eu recebo um email da See tickets como confirmacao – os ingressos estao guarantidos.

Agora, este carinha nao precisava ajudar a ninguem, ele ja tinha guarantido os ingressos dele no comeco da manha. Nos fazemos parte de uma comunidade no Twitter de gente que curte Glasto, mas nunca o conheci na vida real. Outros membros da comunidade estavam fazendo o mesmo, ajudando quem nao conseguia entrar no site comprar ingressos. Achei este lance super bacana, porque hoje em dia nos somos muito desconfiados, cinicos (a primeira coisa que o marido perguntou foi: como voce sabe que ele nao vai roubar os detalhes do seu cartao. A minha resposta: eu nao sei, mas vou confiar) e nao esta muito na moda a ideia do “Pay it Forward”.

Este pequeno acontecimento me deixou feliz a semana inteira. Este mundo esta cheio de gente legal. E por isso que no dia de resale (ingressos cancelados) eu vou levantar cedo e tentar ajudar aqueles que ainda nao conseguiram comprar ingresso.

E quando estivermos em Glasto em Junho do ano que vem, ja falei para o carinha que quero encontra-lo and the ciders are on us.